Curta nossa Página

terça-feira, 27 de outubro de 2015

FHC diz que Brasil está 'sem rumo' e pede a Dilma 'renúncia com grandeza'

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou nesta segunda-feira (26) que o Brasil "vai mal porque está sem rumo" e sugeriu que a presidente Dilma Rousseff renuncie ao cargo "com grandeza".
FHC concedeu entrevista ao programa “Roda Viva”, da TV Cultura. Durante o programa, o ex-presidente falou sobre o primeiro volume do livro "Diários da Presidência", que será lançado por ele na próxima quinta-feira (29).
"A situação econômica [do país] é desesperadora. Ela [Dilma] não tem que ir lá nos Estados Unidos e dizer que o Brasil está mal porque a democracia é adolescente. Vai mal porque está sem rumo", disse Fernando Henrique, ao se referir à entrevista dada por Dilma à emissora norte-americana CNN e veiculada neste domingo (25).
"Tinha que ter uma renúncia com grandeza. A presidente Dilma não pode desconhecer o que nós conhecemos, que a economia está em uma situação desesperadora, que há uma crise política. Ela tinha que dizer: 'eu saio, eu renuncio, mas eu quero que o Congresso aprove isso, isso e isso'", sugeriu.
Na entrevista, FHC foi questionado sobre o posicionamento do PSDB, partido do qual é presidente de honra, a respeito de um eventual processo de impeachment da presidente Dilma.
Para o tucano, o partido está sendo "bastante prudente" quando trata do assunto e, caso um processo de impedimento seja aberto no Congresso Nacional, o PSDB "vai votar pelo impeachment".
Ele também criticou declarações recentes de Dilma de que a oposição tenta dar um "golpe" em seu governo ao defender sua saída pelo impeachment. "Ninguém está cogitando dar golpe. Impeachment não é golpe. Precisa ter condição, mas não é golpe", afirmou o ex-presidente.
FHC também falou sobre o episódio da suposta compra de votos para aprovação da reeleição, durante o primeiro mandato de seu governo. Apesar de dizer que não acredita que tenha havido compra de votos, o ex-presidente disse não duvidar que uma suposta compra de votos possa ter ocorrido.
"Se houve compra [de votos], não foi minha, não foi do PSDB. Se houve compra, foi coisa deles [dos parlamentares]. Não duvido [que possa ter havido]. Mas condenamos", afirmou.
Do G1, em Brasília

Nenhum comentário:

Postar um comentário