Curta nossa Página

sábado, 18 de abril de 2015

Professores mantêm greve, mesmo com decisão contrária do TJPE.

Os professores pernambucanos decidiram por unanimidade, em assembleia realizada na manhã desta sexta-feira (17), continuar com a greve deflagrada no último dia 10. A decisão foi tomada mesmo depois de o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do estado (Sintepe) receber a liminar da Justiça, divulgada na quarta-feira (15), que considera a greve abusiva e determina a suspensão imediata do movimento. O desembargador Jovaldo Nunes atendeu a um pedido do Executivo Estadual.

A decisão judicial foi entregue ao presidente do Sintepe, Fernando Melo, minutos antes da assembleia, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda. Além de determinar a volta ao trabalho, a liminar estabelece uma multa diária de R$ 30 mil para cada dia de desrespeito à decisão. A notícia revoltou os docentes presentes, que votaram pela continuidade do movimento. "A greve continua e se apoia na forte adesão dos últimos dias porque nossa única reivindicação não foi cumprida. Queremos que o governo cumpra a lei do piso e do plano de cargos e carreiras", explicou o presidente do Sintepe.

Após a assembleia, um grupo de 500 professores e alunos, segundo o Sintepe, saiu em caminhada pela Avenida Cruz Cabugá, em direção à Vice-governadoria. Uma comissão formada por oito pessoas, entre elas o presidente do sindicato, Fernando Melo, e diretores da entidade, foi recebida pelo vice-governador, Raul Henry.

Na reunião de aproximadamente 45 minutos, a categoria apresentou algumas reivindicações -- reajuste de 13,01% para todos os professores, rediscussão do plano de cargos e carreiras e melhoria da infraestrutura das escolas -- e, de acordo com o Sintepe, Henry disse que as encaminharia ao governador Paulo Câmara. A assessoria de comunicação da Vice-governadoria, no entanto, informou que Raul Henry se comprometeu a levar as reivindicações aos secretários de Educação e Administração, que são as pessoas designadas pelo governo para lidar com essa negociação.

G1 Caruaru

Nenhum comentário:

Postar um comentário